Poesia: Sangria

Enquanto o vermelho da minha boca
se descora no cigarro
eu sangro pela caneta.

Poetar
é a sangria desatada
da minha alma.

( Graça Craidy)

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. UAU!
    Vermelho paixão... Paixão pela vida, hein!

    ResponderExcluir
  3. Maninha querida,

    Que alegria ler você.Amei o poema Sangria. Vou ler seu Blog com a calma que merece.

    Saudades muitas,

    Teresa

    ResponderExcluir

DESTAQUE

Com quantos Zaragozas se faz um Zaragoza?

Criador e modelo  Das Belas Artes aos multizaragozas " Pra ele, tudo na vida é uma folha em branco à espera de idéias novas...

MAIS LIDAS