Livro: A Sociedade do Espetáculo, Guy Debord

ISTO É QUE NÃO É, COCA-COLA!


Guy Debord é o brilhante filme que deu origem à série Baudrillard. Inspiração, aliás, permitida a priori pelo próprio Debord, há quase 40 anos, em seu aforismo 207 do livro A Sociedade do Espetáculo, onde o autor estimula o “ uso desviado”, afirmando que “ o plágio é necessário” ao progresso das idéias, porque “ apaga uma idéia errônea, a substitui pela correta”.

Não é o seu caso. Se tem coisa que o filósofo, cineasta e agitador político do Maio de 68 Guy Debord acertou foi na sua lúcida premonição da chamada “ sociedade do espetáculo”.

Regido pela lógica do consumo, pelo poder econômico, pela “ sobrevivência ampliada” com “pseudonecessidades” e pela sedução da mídia, o espetáculo se impôs fundamentado em um maquiavélico script: “ tudo o que era vivido diretamente tornou-se representação”.

É impressionante que, já naquela época, Debord tenha antecipado o “ império da passividade moderna”, onde os homens - hipnotizados pela tela da TV, do computador, do celular - seriam transformados em meros consumidores e espectadores manipulados, expropriados de seu tempo, vidas e desejos reais e convencidos de que “ a ilusão é sagrada; a verdade, profana”.

Abduzidos ao “ pseudomundo à parte do não-vivo”, do lado de lá da tela, eles jazem prisioneiros de “ interlocutores fictícios que os entretêm com a sua mercadoria”.

De fato. Pra que mais, se quem tem Globo tem tudo?

Ladra descarada de valores verdadeiros e históricos, a publicidade – melíflua porta-voz dos senhores da sociedade do espetáculo – segundo ele, ajudou a separar os indivíduos de si próprios e dos outros, criando “ o monopólio da aparência”. Foi cúmplice na inversão da realização humana “ do ser para ter e parecer” e passou a comandar “ multidões solitárias” falsamente coladas por descartáveis invenções tecnológicas que acentuam as suas distâncias.

“ O espetáculo reúne o separado e o mantém separado”, diz Debord. Vide as grandes capitais, com seus milhões de carros e celulares e seus las-vegasescos templos de consumo: os shoppings e hipermercados.

Debord alerta para a paradoxal privação contida no consumo de mídia e mercadorias: “ O espectador, quanto mais contempla, menos vive”.

E psicologiza: “ quanto mais aceita se reconhecer no espetáculo, menos compreende sua vida e seus desejos”.

A ausência de história na sociedade do espetáculo - que só vive do presente “estranho” - propicia o canto épico pífio do desimportante “ confronto das mercadorias”, onde as grandes questões passam a ser, por exemplo, quem lava mais branco, qual cerveja desce mais redondo. E onde, ainda, a novidade da história é toscamente substituída pelo Novo! Único! de produtos ou serviços que logo se tornarão velhidades em favor de outros lançamentos, definitivos até o próximo intervalo.

Na sociedade do espetáculo, a ética – como depois constatou Lipovetsky – é relativa: “ reputações são maleáveis e corrigíveis pelos que controlam a informação” e “ o que nunca é punido torna-se permitido”, dando inclusive espaço para que os homens fiquem “ mais parecidos com seu tempo do que com seus pais", como aconteceu com a famosa Lei de Gerson.

Será que vamos nos consumir de tanto consumir? Guy Debord não tem dúvidas. A não ser que a sociedade acorde do tédio de suas vidas espetacularizadas e passe a “ conhecer experiências autênticas”.

Resta, de esperança, o poético apelo de Debord: “ Precisa trazer de volta a vida entendida como uma viagem que contém em si mesma todo o sentido”.

Árdua tarefa. Ele, mesmo, não conseguiu descobrir o seu sentido. No outono de 94, doente e isolado, suicidou-se. ( Guy Debord, A sociedade do espetáculo, trad .Estela S. Abreu, 1ª Ed Contraponto 1997) (Graça Craidy)
LEIA MAIS SOBRE DEBORD AQUI.

2 comentários:

  1. Maria Helena Z. Frantz5 de novembro de 2012 15:36

    É sempre maravilhoso ler os teus textos. Ainda lembro, fascinada, da tua palestra aqui no Seminário de leitura no Sesc de Ijuí. Simplesmente fantástico! Beijo.

    ResponderExcluir

DESTAQUE

Com quantos Zaragozas se faz um Zaragoza?

Criador e modelo  Das Belas Artes aos multizaragozas " Pra ele, tudo na vida é uma folha em branco à espera de idéias novas...

MAIS LIDAS