A espiã de calcinhas de renda e saia de vagonite.

Eu devia ter uns 10 anos e não me conformava com algumas coisas.

Por que o mundo masculino parecia ser mais interessante que o feminino?

Por que meninos podiam sair, fazer e acontecer, sem dar satisfações?

E, principalmente, que mistério era esse que os dois primos metidos de São Paulo mais meu irmão se trancavam à chave no quarto de hóspedes todos os dias depois do almoço, que ninguém podia ouvir?

Um dia, resolvi tirar a limpo. Em minha fértil cabecinha, eu havia arquitetado um plano infalível: chegar antes deles no quarto, me esconder debaixo do sofá-cama aberto e ali ficar, mudinha e com os ouvidos bem abertos.

Depois, pra me escafeder, era só esperar os misteriosos saírem do quarto, coisa que faziam lá pelas duas e pouco da tarde, pois estávamos em pleno verão e eu sabia que eles não perdiam piscina de jeito nenhum.

Arquitetado o plano e colocado em prática. Mal o almoço terminou, subi rapidinho para o andar de cima da casa, rumo ao quarto de hóspedes, me joguei debaixo do sofá-cama, nem me importando em arrastar no chão minha linda saia azul de vagonite bordada. E ali aguardei a cachorrada, inconsequente que só.

Ouvi as vozes dos guris subindo. Primeiro ato: o primo Gilberto joga seu 1,85m de esqueleto sobre o sofá, me obrigando a fechar os olhos estoicamente, pra me proteger da poeira que caía sem clemência de entre os panos do velho sofá.

No instante seguinte, prendi a respiração pra não me sufocar com o chulé que vinha do sapato 44 que o mesmo querido primo - de apelido " Furinho" porque falava fazendo biquinho - teve a brilhante idéia de jogar, bem no espaço onde eu tinha me escondido.

Aí, vieram os diálogos. Finalmente seria descoberto o 4º mistério de Lurdes: o que os homens falam quando estão sozinhos?

Que decepção!...Frases completamente bobas e sem conteúdos secretos, do tipo será-que-vai-chover, passando por grunfs sonolentos, silêncios preguiçosos. Nada que prestasse! E o tempo passando. E neca! Cambada de inúteis.

Ouvi batidas na porta: "- Nelson, telefone da Maria Inês pra ti! " O bonitão conquistador do primo mais velho - que era a cara do Cary Grant ( suspiro!) - abandona seu posto na janela do quarto, pra atender. E os outros dois, meu irmão Paulo e o primo Gilberto, saem do quarto também.

Eu, terrivelmente desapontada com a pesquisa, mas ainda curiosa, em vez de aproveitar o ensejo e dar por abortada a missão, tive a pândega iniciativa de apenas trocar de lado, no debaixo do sofá, sabe-se lá com que intuito.

A esperta esqueceu que sofás-camas abertos ficam com um lado largo e o outro estreito. Pois, lá me enfiei no lado estreito do dito cujo – justamente o lado que dava pra porta - e aguardei a volta dos garnizés.

Voltou um, voltou outro, mas nem trancaram a porta. Cáspita! Sinal que não ia mais rolar segredos inconfessáveis, mesmo.

Nisso, minha mãe pára na porta aberta do quarto e eu só escutei, lívida e gelada, a voz dela pronunciando as palavras mais aterrorizadoras daquele malfadado verão de 61: - " Ué? O que é que a saia de vagonite da Graça está fazendo aqui?"

A morte teria sido mais doce. Vergonha das vergonhas!

Ao enxergar um pedaço azul da minha saia de vagonite que tinha ficado pra fora do debaixo-do-sofá, feito bandeira, minha mãe, intrigada, levantou a colcha que cobria o sofá e deu de cara com a cara-de-pau da filha gordinha espremida embaixo.

O máximo que eu consegui justificar para aquele ato injustificável foi me valer da minha famosa sinceridade kamikaze:- " Eu só queria saber o que eles conversavam quando se trancavam aqui no quarto!"

E saí do recinto sem olhar pra trás, com meu velho andar bamboleante, jogando toda a culpa do desastre na maldita saia de vagonite.


Surpreendentemente, não houve nenhuma punição. Nem materna nem paterna.

Meu único castigo: no resto daquela temporada, nenhum dos primos ou o irmão me dirigiu uma única palavra. 1961 foi o verão do desprezo total. ( Graça Craidy)
...................


Nota: vagonite.
S. f. Bord.
1. Espécie de bordado em que se introduz a linha entre os fios de um tecido especial a fim de formar desenhos decorativos.


SE VOCÊ CURTIU ESTE POST, TALVEZ CURTA ESTE.

14 comentários:

  1. Gilberto Craidy Cury escreveu:

    Adorei. Que delícia de recordação. Gosto muito dos teus textos.

    Obrigado pelo presente.

    Bjs e saudades

    Do teu primo Furinho.

    ResponderExcluir
  2. Beka Cury escreveu:

    Oi Graça

    Me diverti... muito..... menina está sempre inventando coisa...isto até hoje. Tem certas coisas que não mudaram nas gerações.....
    Bjs
    Beka

    ResponderExcluir
  3. Foguinho Grun escreveu:

    Um beijão Graça!Tu és minha "ídala"!eheheheh...

    ResponderExcluir
  4. Regina Cury escreveu:

    Graça,
    Adorei a história, como todas as do seu Blog. Gente miserável esses primos hein? Viva as saias de vagonite (mesmo as que entregam sua ingenuidade!).
    Beijos queridos da prima Rê

    ResponderExcluir
  5. Nelson Cury escreveu:
    Bahh,tche!A gente tinha que fugir de voce,pois era uma verdadeira
    caguetinha!!!
    Bjo
    Nelson

    ResponderExcluir
  6. Adriana Gragnani escreveu:

    "Dve ter sido um ótimo 61. Vc tinha uma saia de vagonite!"

    ResponderExcluir
  7. Sérgio Mudado escreveu:

    "O "gelo" no verão foi imerecido. Ter sido sufocada pelo chulé do Furinho já tinha sido castigo mais que suficiente. Muito bom!"

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Andre Gagliardi escreveu:
    Cara Graça:
    Bom dia! Já havia lido o teu espetacular texto "da espia ... e saia de vagonite", pois sempre que posso dou uma espiada no teu blog. Realmente muito legal, sob o ponto de vista do que é real, para ti, pois vivenciou a questão posta, mas genial para aqueles/aquelas que leram. Porque a genialidade da descrição faz no mínimo o leitor/leitora se voltar a um tempo de fantasias, descobertas e de vivência. E bota vida nisso, onde as pessoas e o mundo tinham um certo "glamor", que já ficou para traz. E no outro sentido faz com que a gente, aguce o nosso pensamento metafórico e se utilize das representações que fazem a gente crescer em quanto gente, em quanto sujeitos desse tempo. Fiquei muito feliz em ler o teu texto, pois me fez recordar da minha história, não de saia, mas sim nos dá um indicativo para a reflexão sobre como a gente se constituiu, num outro tempo. PARABÉNS, gostei de mais.

    Um abraço.

    André Gagliardi

    ResponderExcluir
  10. Tina Cury escreveu:
    Gracinha

    Li vários de seus artigos e todos, sem exceção, me encantam profundamente. Além de bem escritos, são muito gostosos e super divertidos.
    Isso me leva a sonhar em um dia vê-los publicados em um livro, por uma boa editora. Por que não???
    Parabéns, prima !!! Você tem o dom da Graça.
    Bjs. de sua prima e fanzoca
    Tina

    ResponderExcluir
  11. Carlos Lessin escreveu:

    Querida Graça da Terra de Veríssimo,
    Gostei muito da crônica!
    Aqui quem vos responde é o Calunga, paulistano
    da gema e seu amigo de priscas eras.
    Quero lhe mandar um abraço caloroso, pois
    lembrei de ti e dos nossos churrascos
    naquela pobre pilha de tijolos chamuscados,
    ao som de violões, risadas e guitarras distorcidas.
    Saudades!
    1 beijo na sua alma!

    ResponderExcluir
  12. Adorei a pequena espiã, metida, que com certeza não se daria bem. Morri de rir... gracinha tu és um amor...

    ResponderExcluir
  13. Silvia Jeger escreveu:

    Amei a sinceriade kamikase que sempre me persegue. E a saia de vagonite.

    ResponderExcluir

DESTAQUE

Com quantos Zaragozas se faz um Zaragoza?

Criador e modelo  Das Belas Artes aos multizaragozas " Pra ele, tudo na vida é uma folha em branco à espera de idéias novas...

MAIS LIDAS