Tio de cliente morto não paga.

O cliente era um judeu sefaradi daqueles self-made-man feitos à facão. O que tinha de dinheiro, tinha de tosco. Era um cliente novo, a reunião estava marcada para terminar pontualmente às 13 horas, e ele já havia reiteradamente avisado que não ficaria um minuto a mais, pois precisava ir ao enterro de um tio, exatamente naquele horário. OK. Não seríamos nós a atrapalhar suas lides familiares, inda mais em se tratando de morte.

Sabedora disso, marquei minha consulta trimestral com o médico homeopata para as 14 horas, entendendo que uma hora seria tempo suficiente para sair da reunião e atender ao compromisso com o médico, aliás caro e superdisputado. Conseguir aquela horinha tinha sido um extremo ato de boa vontade de sua secretária.

A reunião tinha quatro pessoas: a diretora de atendimento, a assistente, o cliente e, da criação, eu. O motivo: coletar as informações do briefing para divulgar a rede de lojas de brinquedos. Conversa vai, conversa vem, nós anotando daqui, perguntando de lá, questionando, analisando concorrência, abordagens anteriores, etc etc, todos aqueles quesitos que constróem um bom briefing. E o cliente entusiasmado, falando das suas lojas, do seu público-alvo, dos projetos, do tipo de brinquedo que vendia mais etc etc.

Quando dei por mim, já eram 13 horas. E o cliente nada. Porque isso, porque aquilo, porque aquilo outro. E o tio morto? 13 horas e 10. E o cliente blá-blá-blá. Bom, morreu, morreu. 13 horas e 30. O tio dele já enterrado e o cliente pero-que-si, pero-que-no.

Levantei.

- Lamento, seu Fulano, mas preciso sair. Como o sr. havia dito que precisava encerrar a reunião às 13 horas, impreterivelmente, marquei minha consulta com o médico homeopata e se eu perdê-la hoje, só daqui a um mês.

O cliente ficou primeiro sem palavras, estupefato com o meu atrevimento de sair antes. Depois, foi tomado de uma raiva arrogante que resultou na extrema imprudência de ele tentar me comandar como comandava os balconistas das lojas dele:

- Se eu não vou ao enterro do meu tio, você também não vai ao médico. Senta aí e continua a reunião!

Impassível diante daquela clara tentativa de exercício de poder machista-capitalista pra cima de moá, ignorei solenemente a sua ordem ridícula e coloquei a bolsa no ombro, me dirigindo à porta. Não sem antes responder a primeira coisa que me veio à goela, com a mesma intensidade com que rechacei aquele desaforo de ele achar que porque era cliente da agência possuía a minha alma.

- Acontece que seu tio está morto. E eu estou viva. E quero continuar. Com licença!

Saí quase batendo a porta, deixando minhas duas colegas com aquele dragão em iras, decerto a esbravejar injustamente cuspindo fogo pra cima delas.

Fui ao médico, fiz minha consulta, voltei pra agência e, surpreendentemente, não houve nenhum contra-ataque tampouco reprimendas do chefe.

Poucos dias depois, me liga o tal cliente, irreconhecível de manso, quase meu amigo de infância. Queria minha opinião sobre se valia a pena pagar X por um certo jingle. Ele achava caro. Bem impressionada com a qualidade do trabalho, argumentei que o jingle era tão genial que se pagaria em pouco tempo. Ele acatou. Dei sorte. Aquele jingle foi coadjuvante de boa parte da fama e fortuna de suas lojas naqueles idos dos anos 90, na generosa cidade de São Paulo. ( Graça Craidy)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, TALVEZ SE INTERESSE POR ESTE.

5 comentários:

  1. Ronaldo Ramos escreveu:

    customer rules!

    ResponderExcluir
  2. Stalimir Carvalho Vieira escreveu:


    Morto sempre pode esperar... aí é que está o causo...

    ResponderExcluir
  3. Adriana Gragnani escreveu:

    Ué... pensei que o morto fosse aparecer na reunião!

    ResponderExcluir
  4. Stalimir Carvalho Vieira escreveu:

    Pode nao ter aparecido, o que nao quer dizer que nao estava la...

    ResponderExcluir

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS