Da série Guardanapos: Que me importa esse bar?

Tenho me forçado tanto/ a ser corajosa/ a retrancar o pranto/ que me sinto às vezes vazia/ presa do meu próprio encanto/ de não ser bem a guerreira que queria./ Sou a feitora do meu triste canto./ Não me importa esse bar/ essa busca opaca/ esse chope que me entra como faca./ Que me importa esse bar/ se o que eu quero mesmo são raízes/ se minha ânsia verdadeira/ é a de um lar?/ Que me importa esse bar/ essa inútil trama/ essa caça embriagada/ essa rama/ se o que eu quero mesmo/ são as quatro patas de uma cama? /Perdi a viagem/ já não pertenço mais a essa fosca vadiagem/ cansei de mim antiga/ nessa postura moderna/ de ser mais forte, mais torta, mais viva,/ de ter mais sorte/ e, no final, pra quê?/ Pra me sentir assim,/ mais morta. ( 1987)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, TALVEZ SE INTERESSE POR ESTE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS