Poesia: Coração Delivery


Minha entrega é sempre tênue/ e teme/ como quem mede o fogo/ e treme/ relembrando antigas cicatrizes/ Quem já queimou as asas muitas vezes/ não voa livre/ e nem é leve o retomar do ato/ Todo o doído de outros vôos prende o pé/e embota o meu querer alado/ O corpo todo ainda arrepia o arrependido/ e o aprendido ainda congela o meu avesso/ Medo do corte, da dor, do repetido/ do tantas vezes reprisado sad end/

Mas o lobo é caricato: chega rindo/ vestindo a fantasia do quem sabe/ E a estalactite da minha alma se comove/ e pouco a pouco se derrete/ expondo a carne/ E os meus veludos, minhas floreiras se entreabem/ com a esperança receosa de um verão/ E quando o sangue corre mais rápido em minhas veias/e quando as águas do meu ventre se libertam / estanca o sol, a lua, a luta/ E antes que o galo se levante e cante três vezes/ tudo é negado/

E vem o luto, a tarja, o pejo, a mão vazia/ E a velha ratoeira enferrujada/ aperta e me tortura novamente/ num melancólico deja vu de tantas vezes/ O mesmo telefone que não toca/ a camisola branca inútil na gaveta/ uma taça vazia pedindo vinho/ E eu de novo catando meus pedaços/pra remendar mais um remendo em minha paz/ pra disfarçar o meu cansaço/ e pôr em cena mais uma vez todo o meu aço.

( Graça Craidy, 1995)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, TALVEZ SE INTERESSE POR ESTE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS