A loira que não pensou com a raiz.


- Graça!!!.....
O olhar dele, esgazeado, focava alguns centímetros acima dos meus olhos, como se um fantasma levitasse atrás de mim.

- Graça!!!... - ele repetiu, sua habitual voz grave, agora ainda mais grave e com aquele tom de pânico que me dava arrepios de cima a baixo e me paralisava o gesto, sem coragem de virar a cabeça. Quanto menos ali, de noite e naquela luz bruxuleante da cozinha, que tornava tudo meio sinistro e irreal.

Meu namorado era espírita e, virava mexia, vinha contar - pra meu horror - que enxergava almas atormentadas do outro mundo vagando ao redor, espiando as deste mundo com pedidos silenciosos de socorro, a cujas eu confessava, em voz bem alta e muito clara, não ter a menor vontade de ver, ouvir, saber ou tocar, que dirá salvar.

Aquele " Graça" cheio de exclamações e reticências de holografia me dava nos nervos de tal maneira, que reagi quase gritando:
- Pelo amor de Deus, fala, criatura, !...

O alarmista não falou. Em vez, me deixou ali, catatônica, foi com aquele seu passinho de urubu malandro até o quarto pegar um espelho desses de tirar sobrancelha, segurou o dito bem em frente ao meu rosto e me obrigou, com os olhos, a botar tento no acontecido.

Como boa moça prendada do interior, onde nos ensinam que tudo pode ser feito em casa - de geléias a partos - eu tinha passado a tarde daquele sábado aplicando henna em meu falso cabelo loiro, me embonitando para um jantar com amigos logo mais à noite.

Foi uma trabalheira do cão. Além da henna ter um cheiro acre de cocô de cavalo, também não dava liga, mesmo misturada com água, e se recusava a permanecer emplastrada na cabeça, feito as outras tinturas do mercado, escorrendo pela nuca.

Apesar da melecança no banheiro, eu estava no sétimo-céu com minha façanha embelezadora. Afinal, em vez do aviltante blondor com água oxigenada que me provocava coceira no cérebro, de tão invasivo e antinatural, eu tinha optado por louvável atitude ecológica escolhendo aquela henna indiana sem química para avivar a cor do cabelo.

Rá! Depois de horas cheirando a curral, me dei por satisfeita e busquei a libertação do martírio no chuveiro. E creminhos, e perfumes, e batom, e agora ali, vitoriosa
e exuberando frescor, o rapaz me vinha com Sexta-Feira 13- parte I?

O que vi refletido no espelho em frente ao meu rosto iluminado pela luz fria não foi nenhuma loira interessante, mas - socorro! - uma alienígena de olhos arregalados, que me espiava com um estranho cabelo verde.

Verde, sim. Verde cocô de cavalo, claro!

Alguns segundos de pavor e não aguentei. Explodi numa gargalhada.

- Mil vezes marciana que mal-assombrada!

Acabei indo ao jantar daquele jeito, mesmo. E não preciso dizer que o povo me pegou pra cristo da hora que abriu a porta até o último ás da derradeira canastra.

Sufocando o riso, minha amiga me explicou, caridosa, o que tinha acontecido: henna só pode ser aplicada em cabelo virgem. E, antes que você pense besteira imaginando intercursos sexuais bizarros, saiba que virgem é cabelo que nunca foi currado com L'oreais, Kolestons ou Majiréis.

Virgem, eu, com aquele cabelo loiro-belzebua amarelo van gogh? Nem nascendo na Escandinávia...


Saímos da festa às duas da manhã e, pontualmente, duas e quinze, estávamos na drogaria 24 horas ao lado do Shopping Iguatemi, na Faria Lima, em busca do milagroso shampoo-que-lava-colorindo, pois, àquelas alturas eu já cultivava um profundo ódio do meu loiro-verde prostituto 30 volumes e tinha certeza absoluta que o mundo inteiro me olhava meio assim, do balconista ao mendigo.

Naquele sábado fatídico, meu namorado fez jus a um privilégio que muitos homens sonham e poucos podem se vangloriar: acordou com uma loira fatal, jantou com uma extra-terrestre e dormiu com uma inocente castanha-clara. ( Graça Craidy)

2 comentários:

  1. Marina Queiros Telles Cunali escreveu:

    Claro que me achei!!! rsrs!!! Inesquecível...
    Aproveito pra dizer que dei uma navegada no seu blog e adorei os textos... tão gostosos de ler! Bjs pra vc querida!

    ResponderExcluir
  2. Alberto Zetune escreveu:
    Graça, você esqueceu de dizer que nem foi trabalhar
    2ª de manhã pra tingir o cabelo no cabeleireiro.


    Bjs

    ResponderExcluir

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS