Vende-se criança. Cobra-se bem.

Essa gente que mexe com inseminação humana se acha deus. Não. Se acha mais que deus. Tão mais que acha que pode anunciar criança feito mercadoria. Fiquei chocada com a campanha publicitária de uma clínica de inseminação aqui de Porto Alegre, por sinal, localizada em um prédio hiperchique da cidade. Os caras anunciam criança como um big mac, vendendo features ( excelência técnica), vantagens ( tecnologia de ponta) ao melhor estilo publicidade sem ética da pós-modernidade, embora ironicamente também se atribuam - veja você!- ética. Chegou a me dar um arrepio quando vi o anúncio na ZH, e ao entrar no site, horror de novo. O mesmo discurso risonho de venda de criancinhas, como se fosse a coisa mais natural e aceitável do mundo anunciar bebês. Só falta dizer: compre um e leve três!...
Um texto cheio de dentes, pimpão, de silvio santos em porta da felicidade. Eles devem defender seu cinismo mercantil baseados em quão felizes ficam as mamães e os papais desses bebês inseminados. Mas, podem tirar o semenzinho da chuva. Pra cima de mim, não, que eu sou do século passado. Por favor, tenham mais compostura quando tratam desse assunto. E não atravessem a rua da ética indo vender criança na peixaria. Publicidade assim fede.

PS: Antes que me joguem pedras, atenção. Não estou criticando quem faz inseminação artificial. Estou criticando propaganda de inseminação artificial como se bebê fosse mercadoria.

3 comentários:

  1. Grande Graça, lúcida como sempre. Sabe que quando li o título e vi a imagem, assim reduzidinho, pensei que era campanha de adoção. Que aliás, seria bem mais útil.

    ResponderExcluir
  2. Reificação, fetiche, alienação... e tem quem ache que o velho Marx não valha mais nada. ótima reflexão, Graça. ;)

    ResponderExcluir

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS