Pipoca que o pariu - II

Acabo de ler no Correio do Povo que na Letonia um espectador assassinou o outro no final da sessão do filme Cisne Negro (Darren Aronofsky, 2010), enlouquecido com o ruído que a vítima teria feito ao mastigar pipocas durante a projeção do delicado drama psicológico onde Natalie Portman se dilacera entre o bem e o mal. Nunca pensei que alguém chegaria a tanto, mas o sentimento de ódio que o moveu, ah, isso eu entendo. E como entendo!

2 comentários:

  1. Vicente Almeida Corbellini escreveu:
    ISSO SIM É PROZAQUIANO. BJS E ABS.

    ResponderExcluir
  2. Graça, já desisti de ver um filme que eu queria muito assistir por causa do cheiro de manteiga. se insistisse, juro que eu ia vomitar...

    ResponderExcluir

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS