Patrulheiros de Frida.


Nos anos 60/70, surgiu uma espécie de perseguição política, desta vez intramuros, praticada por amigos, colegas, parentes - uns contra os outros - que, aliás, vige até hoje: uma bizarrice invasiva e desrespeitosa denominada "patrulha".

A expressão "patrulha" foi cunhada pelo cineasta Cacá Diegues, que um certo dia cansado de tanto cuidares de vidas e cabeças alheias, se rebelou: - fora, patrulheiros!  Em analogia aos policiais da rádio-patrulha rondando a vida dos outros para validar comportamentos e enquadrar quem sai da trilha.

Patrulha que pos-modernamente falando, o escritor Amós Oz escancara e chama pelo nome real: fanatismo.

Eu chamo de mala, mesmo - aquele tipo de pessoa que quer decidir por você o que você deve pensar, o que deve comer, em quem deve votar, e agora, parece, também, o que você pode pintar.

Saiba que um novo tipo de patrulha se descortina no horizonte: agora deram para patrulhar não apenas quem acham que é petralha ou coxinha, mas também quem ama, desenha ou pinta Fridas.

Sim, senhor! Fazem aquele ar esnobe bem anacrônico de intelectual metido a descolado e.... humpf! que noujo!

São os defensores frankfurtianos tardios da cultura em exclusiva esfera erudita fazendo crer que todo o resto é romero-brittagem. (Aliás, não sei porque pegaram o pobre Romero Britto pra Cristo, deixa o homem enricar em paz! )

Imagina eu que tenho quase 20 lindas Fridas pintadas. Escuto esse rosnar culturalóide, e fico que nem o Cacá nos anos 60/70: de saco cheio!

Ora, vão cuidar dos seus quadros, vão cantar ponto em outra freguesia!

Os patrulheiros contra Frida alegam que estão cansados de Frida. "Que triste, isso, naum?"- disse uma certa cansada, certamente membro da Royal Accademy of Arts. Fiquei aqui lembrando do tema Madona e o Menino, no passado. Cansativíssimo!

Gente chata e metida!

Outro dia uma criatura enlouquecida, minha amiga - amiga?! - professora de cultura - veja a incoerência! de cultura - entra feito caminhão desgovernado num post da pintura de uma Frida que eu tinha acabado de publicar e, totalmente ensandecida, ficou ali fazendo discurso que estava cheia, por-aqui, cansada de Frida! chamando quem gosta de Frida de medíocre!

Sorry! Medíocre, eu? No me hagas reír! Só se eu nascesse de novo, meu bem! E ri sozinha, lembrando que pelo menos duas das brilhantes intelectuais que eu conheço - Ana Maria Colling e Lu Vilella - também como eu adoram Frida. 

Olhei praquilo surpresa e, em respeito a ela, que achei que estava em surto, deletei sumariamente suas vociferações, por pura vergonha alheia e preguiça de bater boca.

Pois hoje, acabada de publicar o quadro de Frida que doei para exposição da Chico Lisboa e um moço - do reino dos cansados - comenta ironicamente que se a Frida ganhasse direitos autorais estaria rica, algo assim. Embutidos por trás do comentário pretensamente inocente uma crítica ácida e um enfado superior.


E não adiantou eu argumentar que não é a Frida, é o mito empoderador da Frida que move a paixão por ela, é o seu exemplo de vida, é a sua superação como mulher e como pintora, é a sua autonomia para ser o que quis - dentro dos seus limites que eram muitos -, entre outras mil razões que qualquer estudioso de cultura sério e sem preconceito iria descobrir.



Que Frida é tipo uma Santa Bárbara contemporânea, guerreira, Yansã. Que Frida é tipo uma São Jorge de saias. Que ter uma Frida por perto é como se nutrir da sua coragem de viver, da sua ousadia, sua atitude. Um amuleto amoroso.

E se você não gosta do que ela fez da vida dela, paciência. Talvez ela também não gostasse da sua, talvez ela achasse que a sua vida é que é medíocre. 

Naum?


Só não me venha tentar menosprezar essa escolha com ares pernósticos e suspiros langorosos. Eu pintei, pinto e pintarei Fridas. Gosto de Frida. Vou continuar pintando Frida até o dia que eu quiser e não até o dia que os patrulheiros das artes desejarem.

Ah, e saiba que o amor pelo pobre do Van Gogh também está em perigo e começando a ser execrado pelos semideuses de plantão. - Frida, Van Gogh, Anne Frank...Que triste, naum? disse a moça, solidária com a bobice do fridófobo.

Ara, vão plantar marijuana! E relaxem, seus cansados. 

(Graça Craidy)

SE VOCE CURTIU ESTA POSTAGEM, TALVEZ CURTA ESTA.             


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS