A pré-estréia de um beijo.


E porque prometi ao Francisco que hoje iria até ele só pra lhe dar um beijo, o dia já amanheceu beijado.

Tudo o que fiz antes suscitou em som de dentro o roçar macio de bocas, cortina nublando o olho em lembrança antecipada, alheado o pensamento, o gesto desamolecido da intenção do músculo, sem saber mais a que vinha.

Um beijo a entregar!...Só porque me prometi em lábios ao Francisco, até o café que passei para um gole trivial de acorda-menina me inebriou diferente. A água borrando o pó gorgolejava mansa dizendo anda, anda, que hoje ela vai beijar Francisco!

No bosque em frente, em cada galho escondido dos eucaliptos, a bemtevizada se algariou em malícias dedo-duras avisando a vizinhança que tinha visto, sim, bem me visto: aqui se preparava um beijo pra Francisco.

E porque a boca no rosto e, ao redor dele, a moldura, o ritual de pentear também já começou antes, muito antes de um mero banho cotidiano. Cada jorro da água que molha a cabeça desenhou boas-vindas ao beijo antecipado, se intrometendo nas raizes, escorregando entre os dedos e o shampoo, zerando tudo que o sabão lava para que o beijo em Francisco chamasse carícias novas de se enovelar em pelos.

Então, os pés, nem sempre coadjuvantes explícitos, bem se diga, mas, uma mulher que preza o Francisco a quem beijará jamais olvidaria o zelo de cada unha e calcanhares, porque, se sabe, mulher que beija assim - de promessa feita - traz sempre em si a tácita disposição de enroscar o pé no homem a quem enlaça o pescoço. Que beijos têm disso: impelem a desnudamentos não planejados, súbitas vontades de arrancar sapato e roupas, desdomadas e imprevisíveis implosões hormonais.

E, ainda que eu só houvesse jurado beijo, e ainda que beijo se doe com singela boca e saliva e língua, neste dia cuidei de todos meus avessos e direitos, em cuidados de noiva prometida. Não importa se Francisco merece, não importa se Francisco é rei ou mendigo de quereres, se me retribuirá em dentes e delírios, ou simplesmente selará o encontro, seu ósculo, uma vulgar reticência.
Neste dia em que prometi a Francisco um beijo, minha mercadoria tão frágil e fugaz carregaria dentro a infinita delicadeza da fêmea servindo em doce bandeja o flash fátuo da eternidade do afeto. ( Graça Craidy)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, TALVEZ SE INTERESSE POR ESTE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

SOU FEMININA, NÃO FEMINISTA

Cada vez que escuto esta frase bonitinha pero equivocadinha, me dá um desgosto profundo, de ver quão enganadas estão as manas que separa...

MAIS LIDAS